Logotipo Expressão Regional

Home Uncategorized

QUAIS FORAM OS PLANOS ECONÔMICOS?

04/07/2022

Para entendermos o cenário econômico atual, temos que também conhecermos a história por trás dos planos econômicos que foram implementados ao longo da história brasileira. Os planos econômicos são implementados quando há uma situação econômica no país em que o governo se vê obrigado a intervir. Neste artigo iremos falar um pouco acerca dos planos implementados entre os anos de 1987 e 1991.

Nas décadas 80 e 90, afim de tentar diminuir a inflação, o governo lançou os planos Bresser (1987), Verão (1989), Collor 1 (1990) e Collor 2 (1991), que fizeram mudanças nas correções monetárias dos saldos das poupanças. Conheça abaixo detalhadamente estes planos e saibam as mudanças que eles ocasionaram.

  • Os Planos Econômicos

Nas décadas de 80 e 90 a inflação estava alta, prejudicando maleficamente a economia do país. Assim, o governo começou a lançar os planos econômicos para controlarem as inflações, alterando o cálculo das correções monetárias feitas nos saldos da caderneta de poupança.

Porém, os planos econômicos ocasionaram perdas aos investidores na caderneta, e as taxas de correção foram aplicadas antes mesmo dos planos começarem a ficar vigentes. Conheça abaixo cada um mais detalhadamente.

  • Plano Bresser (15 de junho de 1987)

Este plano foi lançado pelo ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser Pereira, em 15 de junho de 1987. Quem era presidente nesta época era José Sarney, que havia tentado seguir o Plano Cruzado II, afim de controlar a inflação e também as dívidas externas. Porém, o plano anterior fracassou, de forma que a situação piorou e a inflação atingiu 23,26%.

Assim, foi implementado o Plano Bresser, que se configurou no congelamento por 90 dias, de preços, salários e outros câmbios, como aluguéis. Também foi determinada a LBC (Letra do Banco Central), para que fosse realizada a correção monetária do saldo da poupança.

O IPC (Índice de Preço ao Consumidor), foi utilizado para se realizar a correção do saldo da poupança, passando a ser 18,02% frente a variação de 26,06%. Assim, houve uma diferença de 8% neste índice, o que atingiu os poupadores cuja as cadernetas faziam aniversário até o dia 15 de julho, algo que foi incorreto.

  • Plano Verão (15 de janeiro de 1989)

O Plano Verão foi instituído dois anos após o Bresser, também durante o governo do José Sarney. Este foi o quarto plano de estabilização tentado ser colocado em prática no governo Sarney, também para o controle de inflação, uma questão que não foi resolvida.

Novamente, este plano congelou os salários e preços, além de criar uma moeda nova, chamada de Cruzado Novo. Esta reforma monetária foi inicialmente feita em paridade com o dólar. O IPC foi substituído pelo LFTs (Letras Financeiras do Tesouro). De forma recorrente a correção gerou uma disparidade de valores, pois os bancos não creditaram nas poupanças que tinham aniversário entre os dias 1 e 15 de janeiro a diferença de 20%.

  • Plano Collor I (16 de março de 1990)

Um ano depois do Plano Verão, foi instituído o Plano Collor I, após a posse do presidente Fernando Collor. Neste plano o Cruzado Novo foi substituído pelo Cruzeiro e ocorreu também o confisco e congelamento da poupança, por 18 meses, os valores investidos que fossem maiores que NCz$50 mil. Os valores apreendidos iriam ser corrigidos de acordo com o BTNF (Bônus do Tesouro Nacional Fiscal), e os menores que a quantia determinada, seriam remunerados de acordo com o IPC. Porém, ambos os valores foram corrigidos pelo BTNF.

  • Plano Collor II (31 de janeiro de 1991)

O plano Collor II teve como intuito a correção de inflação. Ele congelou preços, salários, aumentou as tarifas públicas e criou a Taxa de Referência de Juros (TR). Ademais, ele também extinguiu a correção da poupança conforme o BTNF e estabeleceu, em vez deste índice, a Taxa Referencial Diária (TRD).

Com isso, o rendimento da poupança diminuiu 14,11%, pois o TRD possuía menor rendimento nesta época. Assim, os indivíduos que possuíam cadernetas e dinheiro aplicado entre 1 e 31 de janeiro sofreram esta perda de dinheiro.

  • E quem foi prejudicado?

Os que foram prejudicados podem agora ter o ressarcimento dos valores, devido aos acordos que foram elaborados. O Idec possui ações referentes aos Planos Bresser, Verão e Collor II, de modo que as pessoas possam receber a quantia devida. Fazem parte do acordo os bancos Banco da Amazônia, Banco do Brasil, Banese, Banestes, Banrisul, BanPará, BNB, Bradesco, BRB, Caixa Econômica Federal, CCB Brasil, China Construction Bank, Citibank, Itaú, Safra, Santander.

O acordo estabelecido com os bancos prevê restituições financeiras para os poupadores ou herdeiros que tenham entrado na justiça com ações individuais ou coletivas públicas até 31 de dezembro de 2016.

  • Plano Real

O Plano Real foi um conjunto de reformas econômicas implementadas no Brasil, em 1994, no governo de Itamar Franco, na primeira metade dos anos 1990. Seu objetivo principal era combater a hiperinflação no país. Foi o 13º plano econômico executado desde 1979, quando se iniciou a crise que levou à hiperinflação.

O Plano Real representa hoje um marco em nossa história recente por ter criado condições de combate para o grave problema da hiperinflação e, consequentemente, o descontrole fiscal do Estado brasileiro. Foi também responsável pela criação do real, a moeda que circula até os dias de hoje na economia brasileira.

  • Contexto histórico

O Plano Real resultou de uma série de decisões políticas internas e externas que afetaram diretamente o Brasil e ainda hoje possuem lastro nos debates acadêmicos. Desde a Era Vargas, sobretudo no final dos anos 1930, a dívida pública externa do país, que corresponde aos débitos acumulados por empréstimos contraídos de outros países, acumulava-se. Um dos legados principais de Vargas na presidência do Brasil foi a implementação de um projeto nacional de desenvolvimento, que enxergava a necessidade do país de superar a sua dependência de importações de produtos industrializados, a qual era responsável pelo deficit comercial.

Foi desenvolvido, assim, a partir desse projeto nacional-desenvolvimentista, um crescente processo de industrialização do Brasil – o maior de sua história, inclusive. Essa política foi continuada por Juscelino Kubitschek, que governou o Brasil de janeiro de 1956 a janeiro de 1961, por meio do Plano de Metas, que contava com um esquema de financiamento externo. Após o Golpe de 1964, apesar da ruptura institucional provocada, a receita de substituição de importações, industrialização pesada e dívida externa foi herdada dos governos anteriores.

Em 1973, ocorreu uma crise petrolífera, provocada por um embargo da Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo (Opaep), que atingiu diretamente países como Estados Unidos, Reino Unido, Japão, entre outros., afetando diretamente as fontes de financiamento externo de onde o Brasil contraía empréstimos para seu projeto de desenvolvimento.

Já no processo de abertura política do país, no contexto do fim da ditadura, um grande montante da dívida externa brasileira já se acumulava. Com a Crise da Dívida Externa Latino-Americana, após o México declarar moratória em 1982 – que significa, tecnicamente, a suspensão ou adiamento dos pagamentos da dívida pública –, a confiança nas economias latino-americanas diminuiu.

Nesse momento, a inflação no Brasil estava em torno de 100% ao ano. No início dos anos 90, em um ano, a inflação já chegava a 6.800%. Isso significava, na prática, que um produto que você comprava no começo de um ano estava, em um período de 12 meses, 68 vezes mais caro. O Brasil já havia herdado da Ditadura Militar um forte processo de desigualdade social, fazendo com que as classes sociais mais vulneráveis sofressem ainda mais com o crescente descontrole econômico.

Em 1989, um grupo de instituições financeiras situadas na capital dos Estados Unidos, Washington, estabeleceu um conjunto de receitas econômicas ortodoxas com o objetivo de influenciar a resolução de problemas dos países em desenvolvimento que passavam por adversidades financeiras. Esse receituário ficou conhecido como Consenso de Washington e foi um dos principais meios de influência do neoliberalismo, sobretudo na América Latina.

Uma de suas maiores consequências foi a desregulamentação de instituições financeiras, diminuição do papel do Estado na economia e políticas de austeridade fiscal. O neoliberalismo passou a influenciar a maior parte dos economistas dos anos 80, tendo, portanto, forte influência também na idealização do Plano Real.

Nesse contexto, quando tomou posse o primeiro presidente civil, em 1985, José Sarney, após uma ditadura que durou 21 anos, o Brasil enfrentava uma de suas piores crises econômicas, com a inflação corroendo o poder de compra dos brasileiros, sobretudo os mais pobres.

Em 1989, Fernando Collor de Mello foi eleito presidente do Brasil, sendo o primeiro por voto direito após a ditadura. Durante a sua gestão, dois planos econômicos foram criados, conhecidos como Plano Collor I e Plano Collor II.

Uma das medidas realizadas pelo Governo Collor, na tentativa de controle da inflação, foi o Confisco das Poupanças. Essa medida, realizada em março de 1990, foi responsável por instalar uma forte crise política, contribuindo fortemente para o impeachment de Collor em 1992, quando assumiu seu vice, Itamar Franco.

O Brasil tinha, então, uma economia fortemente atingida pela inflação, uma crise política instalada na recente Nova República e um sistema monetário altamente descredibilizado pelos próprios brasileiros. Itamar Franco, que acabara de assumir o cargo de Presidente da República, tinha a difícil missão de conseguir controlar a hiperinflação, objetivo que seus predecessores não lograram êxito.

Foi nesse contexto que Fernando Henrique Cardoso, que se tornaria o sucessor ao cargo de Presidente da República, foi nomeado Ministro da Fazenda, com o compromisso de, ao menos, minimizar os efeitos inflacionários. Ele já era o quarto nome indicado só no governo de Itamar Franco. Os desafios que se colocavam diante de um problema econômico tão imediato faziam com que o cargo de Ministro da Fazenda possuísse uma grande visibilidade na opinião pública.

  • Quem implantou o Plano Real?

Fernando Henrique Cardoso foi um dos nomes mais credibilizados pelos sucessos do Plano Real em controlar a hiperinflação. Ele foi responsável por reunir a equipe econômica que construiu o plano. Entre os nomes envolvidos, destacam-se Pérsio Arida, André Lara Resende (ambos também participaram do Plano Cruzado na década de 1980), Gustavo Franco, Pedro Malan, Edmar Bacha e Winston Fritsch. Eles teriam sido os grandes responsáveis pela formulação do Plano Real.

É importante destacar que o plano foi dividido em três fases, o Ajuste Fiscal, a Desindexação e a Âncora Nominal (que corresponde ao lançamento do real como moeda oficial). Logo após a implementação da primeira e segunda etapa, e os efeitos positivos produzidos na economia, Fernando Henrique Cardoso passou a ser cotado para disputar a Presidência da República em 1994. Ele, então, abandonou o cargo de Ministro da Fazenda, em março de 1994, sendo sucedido por Rubens Ricupero.

  • Para que foi criado o Plano Real?

O Plano Real foi desenvolvido como uma tentativa de resolver o problema hiperinflacionário. Alguns dos planos anteriores obtiveram êxito em curtos períodos, porém os mesmos problemas voltavam a atingir a economia brasileira. Muitos economistas avaliam que isso acontecia porque muitos desses planos anteriores concentravam-se nos efeitos, e não nas causas da hiperinflação.

O grande mérito do Plano Real foi, portanto, ter diagnosticado corretamente as causas do problema e observado outras experiências históricas, como foi o caso da Alemanha, na década de 1920, que também viveu um processo hiperinflacionário.

As pessoas no Brasil iam ao supermercado no começo da década de 1990, pegavam uma mercadoria e, no dia seguinte, aquele mesmo produto estava com o preço reajustado, o que deteriorava o poder de compra, sobretudo dos mais pobres. Atribui-se a isso a tradição de “estocar alimentos”, no Brasil, fazendo grandes compras para durar um mês inteiro ou até mais. Assim, as pessoas sentiam-se mais seguras com a alta dos preços.

A inflação também corroía a situação fiscal do Estado brasileiro, pois o mesmo orçamento que era aprovado no meio do ano já não era suficiente para cobrir todas as demandas, uma vez que a inflação superava os 80% ao mês. Isso tudo gerava uma grande falta de confiança de investidores e também de instituições financeiras que pudessem conceder empréstimos ao Brasil, ao mesmo tempo em que a população não confiava em sua própria base monetária. Essa realidade fazia agonizar economicamente tanto a população quanto o próprio Estado brasileiro. Por esses motivos, o Plano Real representou um marco importante na História do Brasil durante a Nova República.

  • Consequências do Plano Real

Além do controle inflacionário no Brasil, que possibilitou importantes avanços em nossa História, o Plano Real produziu também efeitos culturais e políticos.

A Constituição de 1988, elaborada após 21 anos de ditadura no Brasil, tinha como característica a vinculação do governo federal, produzindo uma excessiva rigidez dos gastos da União. Isso dificultava bastante o ajuste fiscal que o Plano Real havia diagnosticado ser necessário. Foi necessária, portanto, a criação do Fundo Social de Emergência (FSE), que embora criasse um fundo que aumentava as verbas para as áreas de saúde e educação, na prática desvinculava as receitas orçamentárias, permitindo um manejo dos recursos que seriam destinados para essas áreas para cobrir outros tipos de despesas. Em 2000, esse instrumento passou a ser chamado de Desvinculação de Receitas da União (DRU) e é utilizado até os dias de hoje.

Além disso, Fernando Henrique Cardoso, aproveitando os sucessos imediatos do Plano Real logo após a implementação de suas primeiras medidas, elegeu-se presidente em 1994, sendo reeleito em 1998.

O Plano Real também possibilitou feitos distributivos significativos, pelo menos em seus primeiros anos após a implementação. Isso foi importante, sobretudo em uma sociedade com níveis de desigualdade social tão elevados como o Brasil. No entanto, há um grande debate entre economistas de diferentes linhas de pensamento sobre a importância do papel do Estado no combate aos problemas sociais, sobretudo a desigualdade.

Com o Plano Real e com o grupo político que ascendeu ao poder após a sua implementação, houve uma visão de política de Estado voltada para a contenção de gastos públicos e responsabilidade fiscal. Isso anulava, em partes, as próprias funções delegadas ao Estado brasileiro pela Constituição de 1988, que visava destinar subsídios para a resolução de problemas fundamentais, como a própria desigualdade social.

  • Considerações finais:

O Brasil teve vários planos econômicos desde a década de 80, isso demonstra a nossa fragilidade pois o Brasil é um país especulativo, os investidores ganham dinheiro no mercado financeiro. Para um país ser forte precisa produzir, desenvolver novas tecnologias e não depender tanto do mercado externo, mas como estamos num momento de globalização, recentemente acabamos de passar por um problema global, dependemos muito de receber produtos do mercado asiático. Porém o Brasil tem comodities (grãos) que é forte, e desta forma podemos equilibrar a balança comercial.

Mas um país que produz, fica forte e consegue distribuir melhor a renda entre as classes menores.

Alexandre Cunha

Pequeno Polegar - Matrículas 2023
Horóscopo
Flavio Ricardo | Creative Retouch

©2024. Expressão Regional. Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Avesso Digital