Logotipo Expressão Regional

Home Itapevi: Seu povo, sua história

Nossas Lojas

26/02/2019

Diante da movimentação do comércio nas lojas de Itapevi, cheguei a conclusão que o fluxo comercial é bem maior em relação a várias cidades do Estado de São Paulo. Acredito que perde apenas para o Centro Comercial do Brás, Rua 25 de Março, Antônio Agú e Primitiva Vianco em Osasco. 

Na década de sessenta, existia em Itapevi apenas 04 lojas pequenas, mas para a época, eram enormes. Muitos não se lembram ou não conheceram o Sr. Nacif Chalupe, que tinha entre seus mais conhecidos filhos, pessoas de grande relevância para a cidade, como o Sr. Feres Chalupe, ilustre juiz de paz, a Manira da Gráfica Progresso, o respeitável professor Nacif, a fotógrafa Farida, o grande dentista Dr. Amim, a professora Nazira, a simpática Salma e o amigo Salim.    

O sr. Nacif era dono da loja de armarinhos, da qual me recordo especialmente das alpargatas e botinas de couro cru, que lá eram adquiridas.

Localizada na ainda pacata Av. Cesário de Abreu, hoje deu espaço a agitada loja Marisa.

Outro grande comerciante da época era o Sr. Buabsi, pai do Samir e esposa da doce Dona Olga, localizada na Av. Roselândia, atual Avenida Rubens Caramez. Lá, os melhores tecidos e roupas da época eram encontrados.

A loja do Sr. Armindo, ao lado do inesquecível Cinema do Pereira (Cine Manoel), era outro famoso ponto de venda de artigos variados, desde brinquedos, roupas até bijuteria.

O Sr. José Kourani, pai do vereador Akdenis, era conhecido pela simpatia e confiança a qual depositava em seus clientes, vendendo fiado na caderneta. Realmente era um bom tempo! Itapevi tinha em torno de trinta mil pessoas, mais ou menos 10% da população que temos hoje, onde nossa cidade caminha para os 300 mil habitantes.

O crediário na época era concedido como diz a expressão; “No fio do Bigode”, ou seja, na confiança e palavra de quem ali realizava a sua compra e marcava na caderneta. Caloteiro naquela época não tinha vez e não se criava.

Hoje o progresso chegou, sabemos que faz parte e é necessário. Mas passamos a ser conhecidos pelo número do CPF, RG e demais dados bancários, deixando para trás este convívio e forma de compra.   

Flavio Ricardo | Creative Retouch

©2022. Expressão Regional. Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Avesso Digital