Logotipo Expressão Regional

Home Variedades

Gabriela faz planos após ser eliminada do ‘BBB19’: ‘Quero conhecer Madureira’

08/04/2019

Cantora foi eliminada no domingo, com 60,64% dos votos em Paredão contra Rízia

Depois de 83 dias confinada na casa do “Big Brother Brasil 19”, Gabriela, que foi eliminada na noite deste domingo, com 60,64% dos votos no Paredão contra Rízia, faz planos para o futuro no Rio de Janeiro. “Quero conhecer Madureira, ir ao samba, dar muita risada por aí, sentir o carinho das pessoas, rever Rodrigo e Hana”, enumera a paulista.

Profissionalmente, ela quer voltar para os palcos. “Cantar me deixa muito feliz”, diz. O jogo deu à artista amigos especiais e a fez se reconhecer. “No BBB, encontrei pessoas que vou carregar para a vida inteira: Rodrigo, Hana, Rízia, Dan, Alan, Elana,Tetê (Tereza). Consegui enxergar a Gabriela, me entender como mulher e entender, principalmente, que essa mulher tem força. Quando me falavam ‘você é linda’ eu não sabia falar ‘obrigada’. Ficava constrangida. A pessoa que teve o papel mais importante para mim lá dentro, nesse sentido, foi a Rízia. Eu a via com aquele cabelo, aquele carão e pensava ‘uau’. Ela era a representatividade para mim, a forma como eu queria que alguém me visse. Me reconheci naquela casa. Ali eu consegui me olhar. Tudo ali me fez ser muito mais a Gabriela que agora eu entendo que sou, e que vou manter, com queixinho para cima e ombrinho para baixo”, brinca, com sorriso largo.

Ela conta que o ‘BBB’ lhe deu oportunidade de levantar suas bandeiras com afeto e que conseguiu reconhecer que estava trilhando o caminho certo quando retornou do falso paredão. “Quando entrei na despensa, não entendi onde estava. Nem pensei no que estava acontecendo, se era bom ou ruim. Mas depois que abri a porta e vi que estava na casa de novo, entendi que alguma coisa estava dando certo, principalmente pelas coisas que eu tinha falado, pela postura de discursos que tive”, conta.

Como foi passar esta temporada no BBB 19?

No momento que entrei na casa, já consegui enxergar pessoas com as quais eu sabia que ia me dar bem. E foi três vezes melhor do que eu imaginava. Não passava pela minha cabeça, por exemplo, que eu sofreria por ter que votar em pessoas que eu estava amando. Achava que seria mais fácil. No BBB, encontrei pessoas que vou carregar para a vida inteira. Consegui enxergar a Gabriela, me entender como mulher e entender, principalmente, que essa mulher tem força.

Sair a cinco dias do fim do programa e chegar tão pertinho da final… Como você está se sentindo?

Não imaginava ir tão longe, achava que sairia na primeira semana. Até a minha mãe disse: “filha, você vai ficar 15 dias” (risos). Sair tão perto do fim, meu Deus! Mas sair pela Rízia, tudo bem, porque ela também merece estar lá. Só depois que peguei a liderança que comecei a pensar no R$ 1,5.

Você falou algumas vezes lá dentro que o programa mexeu com você como mulher, com a sua autoestima. Como era a Gabi que entrou no jogo e como é essa que sai?

Mexeu muito! Vou falar descaradamente: tenho amigos há mais de 15 anos que nunca me viram de biquíni, eu ia à praia de bermuda, com medo de mostrar a estria, de mostrar o corpo. Quando me falavam “você é linda” eu não sabia falar “obrigada”. Eu ficava constrangida. A pessoa que teve o papel mais importante para mim lá dentro nesse sentido foi a Rízia. Eu a via com aquele cabelo, aquele carão e pensava “uau”. Ela era a representatividade para mim, a forma como eu queria que alguém me visse. Me reconheci naquela casa. Ali não tem como fugir de espelho e ali eu consegui me olhar. Tudo ali me fez ser muito mais a Gabriela que agora eu entendo que é, que vou manter, com queixinho para cima e ombrinho para baixo (risos).

E se você tivesse uma nova chance no jogo e pudesse voltar à casa novamente, o que você faria de diferente?

Ia chegar com dedo na cara, apontando o que não fizeram de legal. Não agressivamente, óbvio. De diferente, acho que nada. Talvez pensasse mais sobre o que falar no raio-x e aproveitaria melhor as conversas ao vivo no confessionário. De resto, nada diferente.

E o que você repetiria, o que acha que foi a sua cartada certeira nos seus dias lá dentro?

Quando Maycon me chamou de extremista eu acho que me posicionei bem, consegui levantar a minha bandeira ali. Ali pensei: “ou eu saio por isso, ou eu fico por isso”. Fiquei.

Quem você considera o jogador, que permanece lá dentro, mais forte?

Para mim a Rízia é a pessoa mais forte. Não como jogadora, mas como ser humano, e é para ela que eu torço. Agora, pelo que já vi, acho que Paula pode ganhar. Não seria um susto, mas eu não ficaria feliz.

Pequeno Polegar - Matrículas 2023
Horóscopo
Flavio Ricardo | Creative Retouch

©2024. Expressão Regional. Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Avesso Digital